Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *

RENATO PEREIRA

ACHA ISTO JUSTO?


SÃO AS MIGALHAS,
OS SACRIFICIOS,
OS AFORROS
E AS POUPANÇAS
DOS POBRES,
que fazem as FORTUNAS dos Banqueiros...

EM ÉPOCA DE CRISE,
sempre são sacrificados os pobres poupados
em beneficio dos ricos afortunados…
POR ISSO
BAIXEM OS PREÇOS

BAIXEM OS PREÇOSWebfetti.com
http://baixemosprecos.blogspot.com









portal dos sites

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

- O DIálogo

    encontrado no blog de Francisco Vaz Antunes 

Diálogo no inferno entre o contribuinte e o Estado (autor desconhecido)

Contribuinte - Gostava de comprar um carro.

Estado - Muito bem. Faça o favor de escolher.

Contribuinte - Já escolhi. Tenho que pagar alguma coisa?

Estado - Sim. De acordo com o valor do carro (IVA)

Contribuinte - Ah. Só isso.

Estado - E uma "coisinha" para o pôr a circular (imposto único de circulação)

Contribuinte - Ah!

Estado - E mais uma coisinha, na gasolina necessária para que o carro efectivamente circule (ISP)

Contribuinte - Mas, sem gasolina, eu não circulo.

Estado - Eu sei.

Contribuinte - Mas eu já pago para circular.

Estado - Claro!

Contribuinte - Então, vai cobrar-me pelo valor da gasolina?

Estado - Também. Mas isso é o IVA. O ISP é outra coisa diferente.

Contribuinte - Diferente?

Estado - Muito. O ISP é porque a gasolina existe.

Contribuinte - Porque existe?

Estado - Há muitos milhões de anos, os dinossauros e o carvão fizeram petróleo. E você paga.

Contribuinte - Só isso?

Estado - Só. Mas não julgue que pode deixar o carro assim como quer.

Contribuinte - Como assim?

Estado - Tem que pagar para o estacionar.

Contribuinte - Para o estacionar?

Estado - Exacto.

Contribuinte - Portanto, pago para andar e pago para estar parado?

Estado - Não. Se quiser mesmo andar com o carro precisa de pagar seguro.

Contribuinte - Então, pago para circular, pago para conseguir circular e pago por estar parado?

Estado - Sim. Nós não estamos aqui para enganar ninguém. O carro é novo?

Contribuinte - Novo?

Estado - É que, se não for novo, tem que pagar para vermos se ele está em condições de andar por aí.

Contribuinte - Pago para você ver se pode cobrar?

Estado - Claro. Acha que isso é de borla? Só há mais uma coisinha...

Contribuinte - Mais uma coisinha?

Estado - Para circular em auto-estradas

Contribuinte - Mas eu já pago imposto de circulação.

Estado - Mas esta é uma circulação diferente.

Contribuinte - Diferente?

Estado - Sim. Muito diferente. É só para quem quiser.

Contribuinte - Só mais isso?

Estado - Sim. Só mais isso.

Contribuinte - E acabou?

Estado - Sim. Depois de pagar os 25 euros, acabou.

Contribuinte - Quais 25 euros?

Estado - Os 25 euros que custa pagar para andar nas auto-estradas.

Contribuinte - Mas não disse que as auto-estradas eram só para quem quisesse?

Estado - Sim. Mas todos pagam os 25 euros.

Contribuinte - Quais 25 euros?

Estado - Os 25 euros é quanto custa.

Contribuinte - Custa o quê?

Estado - Pagar.

Contribuinte - Custa pagar?

Estado - Sim. Pagar custa 25 euros.

Contribuinte - Pagar custa 25 euros?

Estado - Sim. Paga 25 euros para pagar.

Contribuinte - Mas eu não vou circular nas auto-estradas.

Estado - Imagine que um dia quer... tem que pagar

Contribuinte - Tenho que pagar para pagar porque um dia posso querer?

Estado - Exactamente. Você paga para pagar o que um dia pode querer.

Contribuinte - E se eu não quiser?

Estado - Paga multa.

(autor desconhecido)

Francisco Vaz Antunes

Sem comentários:

Siga por correio electrónico

junte-se a nós...

Seguidores