Formulário de Contacto

Nome

E-mail *

Mensagem *

RENATO PEREIRA

ACHA ISTO JUSTO?


SÃO AS MIGALHAS,
OS SACRIFICIOS,
OS AFORROS
E AS POUPANÇAS
DOS POBRES,
que fazem as FORTUNAS dos Banqueiros...

EM ÉPOCA DE CRISE,
sempre são sacrificados os pobres poupados
em beneficio dos ricos afortunados…
POR ISSO
BAIXEM OS PREÇOS

BAIXEM OS PREÇOSWebfetti.com
http://baixemosprecos.blogspot.com









portal dos sites

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

GUANABARA… O que foi?

 

http://www.alerj.rj.gov.br/center_arq_aleg_invent_link2.htm

ALEG: Inventário Analítico
Introdução

O estado da Guanabara existiu entre 1960 e 1975. Teve características típicas, devido à perda da condição de capital do Brasil, com o início da transferência da administração federal para a cidade de Brasília, construída no governo Juscelino Kubitschek e inaugurada em abril de 1960.

       A eleição e posse de Juscelino, em 1955, significou a entrada do país em um novo patamar político, econômico e social, marcado pelo início do processo de industrialização e urbanização. Umas das suas bandeiras políticas era a ocupação do interior do país, buscando-se diminuir as diferenças entre o centro-sul, a população litorânea e o interior agrário do país. Por isso, a construção de uma capital no coração do Brasil, longe das pressões políticas do centro das decisões financeiras e econômicas dos mais fortes grupos empresariais e dos operários sindicalizados - Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

       Para o Rio de Janeiro, capital do país desde 1763, a construção de Brasília significou uma queda de status, afetando a vida da cidade. Esta mudança significava um esvaziamento de sua importância nacional. Também representou um esvaziamento econômico, pois a estrutura administrativa - ministérios, secretarias e empresas estatais - foi sendo, paulatinamente, transferida para a nova capital, provocando uma queda no PIB da região.

       O estado da Guanabara foi criado pela Lei San Tiago Dantas de 14 de março de 1960, e sua composição geográfica abrangia o território da antiga capital. Este instrumento estabelecia normas para a criação do estado e convocação de sua Assembléia Constituinte. Previa eleições para o mês de outubro daquele ano, e o primeiro governador eleito foi Carlos Frederico Werneck de Lacerda (UDN).

       Carlos Lacerda tomou posse em 5 de dezembro de 1960 e seu mandato caracterizou-se por uma ampla reforma, que só se encerrou em 1962, visando descentralizar as tarefas executivas. Era o início de uma administração mais localizada e regional, diferente do costume anterior de se pensar o país a partir de sua antiga capital.

       A sua gestão preocupou-se, principalmente, em resolver problemas viários e habitacionais, elaborando um plano de habitação popular e, neste sentido, tomou medidas polêmicas, como a erradicação de favelas. Outra caraterística administrativa da época foi a construção de escolas, e de uma universidade, além da criação da polícia civil e remodelação da polícia militar. Inicialmente, apoiou o movimento político-militar de 1964, mas com ele rompeu após a eleição do seu sucessor, Francisco Negrão de Lima.

       O segundo governo do estado da Guanabara foi exercido pelo candidato da oposição local, que elegeu-se pela coligação PSD/PTB. A sua candidatura e posse foram ameaçadas por intensa campanha de Lacerda, inconformado com a derrota de seu candidato, o secretário de educação Flexa Ribeiro. A posse foi garantida pelo Poder Judiciário e pelo então presidente Humberto de Alencar Castelo Branco. Negrão de Lima atravessaria o período de Artur da Costa e Silva, a Junta Militar e a posse de Emílio Garrastazu Médici.

       Na época, assistiu-se à edição de diversos atos institucionais, como o AI-2, que adiou as eleições presidenciais e dissolveu os partidos; o AI-3, que tornou indiretas as eleições de governadores e prefeitos das cidades mais importantes e o AI-5, que suspendeu os direitos políticos e as garantias dos direitos civis.

       Neste período, ocorreram diversas manifestações estudantis de rua no centro do Rio, como aquela na qual foi assassinado o estudante secundarista Edson Luiz, em 28 de março de 1968; uma outra, no dia 20 de junho seguinte, que ficou conhecida como a Sexta-Feira Sangrenta, deixando como saldo vários mortos e centenas de feridos, em virtude da repressão policial; a Passeata dos Cem Mil, em 26 de junho do mesmo ano, esta sem nenhuma repressão; e os seqüestros dos embaixadores norte-americano, alemão e suíço, entre os anos de 1969 e 1970.

       Negrão de Lima, em termos administrativos, conseguiu fazer algumas obras viárias e ampliar a rede de ensino, apesar do alto grau de endividamento e dos mais calamitosos temporais enfrentados pela cidade. Também criou a Comissão Estadual de Defesa Civil, o campus da Universidade Estadual da Guanabara (UEG) e melhorou o abastecimento d'água da cidade.

       O terceiro e último governo do estado foi exercido por Antônio de Pádua Chagas Freitas (MDB), escolhido pela Assembléia, com o apoio da cúpula militar que comandava o país. O seu governo, coincidiu com uma fase de grande expansão da economia e de consolidação do regime político, instalado a partir de 1964.

       Entre os empreendimentos desta gestão, destacam-se a urbanização da Ilha do Fundão, possibilitando a inauguração da Cidade Universitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); a criação da empresa de saneamento do estado, uma central de abastecimento e três grandes mercados da Companhia Brasileira de Alimentação (COBAL). Esta administração foi responsável, ainda, por diversas e polêmicas obras urbanas, inclusive aumentando o gabarito para construção em diversos bairros.

       O governo federal promoveu fusão do estado da Guanabara com o estado do Rio de Janeiro. No dia 15 de março de 1975, quando se encerrou o mandato do governador Chagas Freitas, a Guanabara - tal como era chamado o estado na época - deixou de existir.

Voltar

Sem comentários:

Siga por correio electrónico

junte-se a nós...

Seguidores